4 de junho de 2008

EU FUI!


Fui ao comício das esquerdas e aquilo a que assisti encheu-me de esperança num futuro melhor.
Um futuro sem medo da palavra esquerda, sem medo da palavra socialismo, um futuro em que não se aceitam como inevitáveis as desigualdades sociais e os retrocessos de direitos, em que não se aceita o funcionamento do mercado como poder divino, nem um Estado cada vez mais reduzido nas suas funções como solução única.
Que a experiência se repita e que as ideias floresçam, porque há cada vez mais espaço para elas na sociedade portuguesa, é o meu único desejo!

12 comentários:

Ana Pires disse...

Das esquerdas? Da esquerda populista, talvez seja melhor acrescentar-se. Que hipocrisia, mas que tremenda HIPOCRISIA a de José Soeiro ao dizer que a força está na "diversidade"! É realmente indignante num encontro em que simplesmente NÃO convidaram o maior partido da esquerda portuguesa, o Partido Comunista Português. Respeito a proximidade que os bloquistas possam ter para com o PS, posso compreender que Manuel Alegre sempre dê a tão apetitosa presença mediática, mas pura e simplesmente ignorar o PCP é uma covardia, ao nível até da mais baixa ética da direita.

Desapontante ter José Soeiro a dizer tal coisa, por era um deputado que até prezava. Aqui se vê que há interesses e pressões que falam mais alto, pois não acredito que seja mentor desta ideia tão pouco dignificante para o BE..

Anónimo disse...

O José Soeiro foi um autêntico pau- mandado. Tem um discurso repetitivo e vazio. Já parece um velho trotsquista.Nasceu fora do tempo.

Peter of Pan disse...

Sou de esquerda, orgulhosamente de esquerda (a qual não se resume a PS, PCP ou BE), mas se aquele comício traduz "a esperança num futuro melhor", então o futuro é negro, muito negro - e não só para a esquerda.

bolonhado disse...

A Deputada do BE (cujo nome, não me ocorre) acaba de dizer na Assembleia da República, que Portugal vive a maior "fractura social de sempre". Isto não é sério. Logo é difícil imaginar que venha daqui um futuro melhor, quando (parece) não se conhece o passado. Ou pior, quando se brinca com ele,em nome do "sounbyte".
Era bem melhor e mais sólido debater soluções, mas isso dá trabalho. Um comíciozinho sempre marca pontos.

Alx disse...

Eu, que até não sou de esquerda, ouvi a notícia: mais ou menos 200 pessoas reuniram-se no teatro da Trindade... -e é isto a esquerda ou as esquerdas? E o que está em questão não é o número de pessoas, mas a "chinfrineira"... -muito profissionais, sim senhora.

Acho que estamos bem uns para os outros. Uns têm o Manuel Alegre que é poeta e pensa que é político. Outros têm o Santana que pensa que é político e é poeta.

Inté

Anónimo disse...

eram 500 pessoas no teatro da trindade, outras tantas no espaço chiado a ver o comício em directo e muitas outras ficaram à porta, pq já não havia mais lugares em nenhuma das duas salas... mais de 1000 pessoas quiseram assistir ao comício. não é mt, mas há cerca de 2 ou 3 meses o PS viu-se e desejou-se para ter pouco mais do dobro num seu comício no porto.

psergio57 disse...

D. Ana Pires o partido comunista não foi convidado nem tinha que ser. Poderiam ter participado militantes comunistas, mas como o partido não ia figurar como força hegemónica e controladora do evento e o respeitinho é muito bonito, só apareceram os comunistas dissidentes. Coisas que acontecem quando não há democracia interna...

Bergano disse...

"o partido comunista não foi convidado nem tinha que ser"

Os bloquistas que passam a vida a chamar "sectários", "estalinistas" e "burocratas" aos militantes do pcp nem se enxergam ao espelho.

Depois rejubilam por terem ido prestar vassalagem a um deputado septuagenário do PS que sempre votou as propostas anti-populares do governo, desde propinas, a taxas moderarados, congelamento de salários, orçamentos de estado, Tratado de Lisboa, etc., etc., etc...

No cúmulo do oportunismo, os dirigentes do be passaram por cima de tudo isso apenas para o show of mediático.

Só espero que consigam juntar-se ao "alegrismo" - para que a sua deriva social-democratizante chegue ao porto há muito previsto

psergio57 disse...

Sabe meu caro Bergano o PCP não tem o exclusivo da esquerda. Nem da luta anti-fascista se bem que eu não negue a importância da sua luta e dos seus mártires. Ninguém vedou a participação dos comunistas no evento. Estou é convencido que, tal como no passado, não há hipótese de um frentismo de esquerda de que o PC participe. É irresistível a vontade de controlar qualquer movimento mesmo que para isso tenha de o destruir. Os exemplos são sobejos no passado e na acção sindical... Menosprezar a carga simbólica de Manuel Alegre enquanto porta-voz do descontentamento e dos resquícios de 'esquerda' que ainda existem no PS é mais um dos graves erros do 'sectarismo estalinista'... É muito bom sinal que este comício tenha incomodado toda a gente desde o PC ao CDS.

eduricardo disse...

psergio57 diz «é muito bom sinal que este comício tenha incomodado toda a gente desde o PC ao CDS».
Incomodou???
3 meses depois, onde estão as consequências???
Como vai esse namorico???
O que deu o PS para isso a que chama "frentismo de esquerda"???
Quando foi que o deputado Alegre votou com a esquerda uma proposta decisiva????
Que ministério foi prometido ao BE para quando o PS perder a maioria absoluta???

Anónimo disse...

1- A diversidade que fala José Soeiro tem por base a ideia de que o derrube do capitalismo por sí só não derruba outras formas de dominação social, sendo apenas uma das lutas da esquerda verdadeiramente socialista.
2-Soundbite? Não consegue entender politicamente e simbolicamente a importância deste acontecimento (que é abrir uma ruptura no PS com aqueles que aínda são verdadeiros sociais-democratas, como manuel alegre e outros que não se resignam a que o PS tome o papel de gestor do neoliberalismo)?

3- O PC??? Mas tem noção de quantos milhares de vezes o PC já foi convidado para lutas conjuntas e sempre recusou?? A última delas (a de uma união da esquerda na Madeira contra Jardim) absolutamente insensível...
O PC sempre detestou o BE, como detesta Maio e Praga, como detesta algo que não possa controlar. Quando o PC aceitar e mostrar interesse em participar numa iniciativa destas então já não estamos a falar do PC português como hoje o conhecemos, conservador e sectário. Terá mudado.

4- Ministério? Amigo, acredite em mim: vai ser preciso o BE mudar muito e renovar muita gente nos próximos anos para tomar a decisão de se unir com o partido que vai gerindo o projecto neo-liberal há já varios varios anos e que representa o sucumbir da social-democracia, do estado social, das conquistas dos trabalhadores à lei selvagem do mercado. O acordo de Lisboa foi um grande mal entendido como já por várias vezes foi explicado...

josefy disse...

No meio é que está a virtude, como pode alguem falar de esquerda ou dieita quando, qualquer um dos regimes quando está no poder, contabiliza ditaduras e milhões de mortos.

Anormais todos aqueles que são defeituosos quer a esquerda ou direita.